NOITE DE TESTES - 12/07/2018 08:10 (atualizado em 12/07/2018 08:43)

Chapecoense vence o amistoso com o San Lorenzo na Arena Condá

As duas equipes realizaram muitas substituições durante a partida
Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!
Foto: Sirli Freitas / Chapecoense

Contra um adversário que traz muitas lembranças alegres e tristes, o San Lorenzo, a Chapecoense venceu por 2 a 1, nesta quarta-feira, na Arena Condá, seu principal teste antes da retomada do Campeonato Brasileiro.

No corredor de acesso à área mista, debaixo das arquibancadas da Arena Condá, uma foto traz os jogadores que atuaram na semifinal da Copa Sul-Americana de 2016, contra o San Lorenzo, última partida em casa antes do acidente aéreo na Colômbia, onde morreram 71 pessoas.

Pelo vínculo emocional e pela qualidade da equipe o time argentino foi convidado para preparar a Chapecoense após a parada da Copa do Mundo. Foi a oportunidade para o técnico Gilson Kleina testar substitutos para o lateral Apodi, que foi para a Arábia Saudita, para Arthur Caike, que foi para o Egito, e para Jandrei, que foi retirado do jogo devido a uma negociação com o Sampdoria, da Itália.

Na primeira bola que foi no gol o substituto de Jandrei, Ivan, nada pode fazer na cabeçada de Diaz, que aproveitou livre a cobrança de escanteio e mandou para o fundo da rede. Mas depois fez boa defesa em cobrança de falta de Castro.

O gol de Diaz na verdade foi o de empate, pois a Chapecoense começou a mil, marcando um gol logo a dois minutos, com Wellington Paulista. Foi o aquecimento do atacante para o Brasileirão. No intervalo, ele comemorou o gol e lamentou o frio de sete graus.

- Nunca passei um frio desses aqui em Chapecó, mas é bom voltar bem, marcando gol e vencendo – destacou.

A Chapecoense voltou a ficar em vantagem no placar com um gol do zagueiro Luiz Otávio, no final do primeiro tempo, aproveitando cobrança de falta de Luiz Antônio. O zagueiro tem bom histórico contra times argentinos pois no ano passado também marcou um gol contra o Lanus, pela Libertadores. Naquela partida a Chapecoense venceu por 2 a 1 mas perdeu os pontos pois o próprio Luiz Otávio estava irregular por ter mais uma partida de suspensão a cumprir.

Quem também ganhou oportunidade no time principal foi o atacante Vinícius, que teve boa movimentação, criou algumas oportunidades de gol, mas não marcou. O lateral Eduardo tentou algumas investidas ao ataque, mas sem a mesma intensidade de Apodi.

Etapa final

No segundo tempo o técnico Gilson Kleina manteve apenas o goleiro Ivan, trocando o restante do time. Entre as novidades o lateral Marcos Vinícius, que veio do Tubarão após o Catarinense, e o meia argentino Doffo, formado na base do Velez Sarsfield.

As mudanças favoreceram o time visitante que finalizou no poste, com Reniero, e depois obrigou Ivan a duas boas defesas, que fizeram o torcedor tirar as mãos dos bolsos quentes para aplaudir o goleiro.

Diferentemente do confronto de 2016, que valia vaga na final da Sul-Americana, a disputa foi mais amena. Desta vez valeu o troféu Mário Lanznaster, em homenagem ao presidente da Aurora Alimentos. Mas principalmente foi um jogo em que os times miraram seu futuro nos campeonatos nacionais.

A Chapecoense retoma o Brasileirão no dia 19 de julho, em casa, diante do Bahia.

Fonte: Diário Catarinense
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3
Clique aqui para se cadastrar
Carregando...