ELEIÇÃO NA CÂMARA - 09/01/2017 22:39

Com camisa da Chapecoense, Rosso se lança para presidência da Câmara dos Deputados

Deputado do PSD oficializou candidatura, mesmo sem coesão no partido.
Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!
O deputado Rogério Rosso (PSD-DF) lançou candidatura à presidência da Câmara (Foto: Reprodução/Facebook)

O deputado federal Rogério Rosso (PSD-DF) lançou nesta segunda-feira (9) candidatura à presidência da Câmara. O parlamentar, que é líder do PSD na Casa, anunciou oficialmente que concorrerá ao cargo em sua página no Facebook. No momento do anúncio, ele vestia uma camisa da Chapecoense.

O agora candidato à presidência da Câmara terá que lidar com a falta de coesão dentro do próprio partido. O G1 consultou membros da bancada do PSD na Câmara e constatou que há divergências sobre a candidatura de Rosso entre os colegas de partido.

De acordo com o deputado Fábio Mitidieri (PSD-SE), dentro da bancada há “ponderações” de parlamentares que preferem que a sigla não tenha um candidato próprio e faça composição com um nome de outro partido. Esse nome seria o do atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“Há conversas, há a ponderação se vale a pena insistir [na candidatura própria]”, disse. Ele afirmou, entretanto, acreditar que a bancada irá apoiar Rosso se a candidatura for mantida.

Mesmo com a oficialização do nome de Rosso, o deputado Heuler Cruvinel (PSD-GO) ainda não definiu um candidato para apoiar. “Ainda indeciso”, disse. “Está cedo ainda”, completou.

Questionado sobre se seria melhor uma candidatura própria do PSD ou uma composição com candidato de outro partido, respondeu: “O que for para ganhar”.

A eleição para a escolha do presidente da Câmara e dos membros da Mesa Diretora está marcada para o dia 2 de fevereiro. A votação será secreta.

O deputado Sandro Alex (PSD-PR) afirmou que não vai declarar seu voto, já que há uma candidatura dentro do partido. Ele disse que haveria uma tendência de composição do PSD com Rodrigo Maia, que tenta reeleição, se o PSD não tivesse candidato próprio. Para o parlamentar, uma possível retirada de candidatura do PSD seria decisão de Rogério Rosso.

O deputado André de Paula (PSD-PE), por sua vez, disse que vai votar em Rogério Rosso. Ele comentou a possibilidade de que o PSD faça algum tipo de aliança futura com Maia.

“Eleição cumpre etapas. Nessa etapa, as pretensões são legítimas e individuais. O processo vai se afunilar e o futuro a Deus pertence. Como defendemos a unidade e a harmonização da Casa, torço que seja possível”, disse.

Para o deputado, o fato de Maia ser o atual presidente da Câmara o coloca numa posição “muito confortável”.

Os deputados Jaime Martins (PSD-MG), Joaquim Passarinho (PSD-PA), Júlio Cesar (PSD-PI) e Delegado Eder Mauro (PSD-PA) informaram que vão apoiar a candidatura do colega Rogério Rosso.

Anúncio

Vestindo uma camisa da Chapecoense, Rosso usou uma rede social para fazer o anúncio em um vídeo que foi transmitido ao vivo pela internet. O meio escolhido, segundo ele, foi para que o lançamento fosse “o mais democrático” possível.

Ele contou que ganhou a camisa de presente de um deputado e que decidiu usá-la para demonstrar que o país precisa de “união de verdade” em todas as áreas, inclusive para “superar a grave crise econômica”.

Com o slogan de campanha “Câmara forte, unida e respeitada”, Rosso defendeu maior protagonismo da Casa em relação a outros poderes.

“Eu pedi para fazer pesquisa na Câmara e, das quase mil leis publicadas no ‘Diário Oficial da União’, nem 3% vieram de proposições de deputados. A grande maioria é oriunda do Poder Executivo”, disse o líder do PSD.

Sobre a reforma da Previdência, enviada pelo governo ao Congresso, Rosso disse que é preciso ter cautela e que o texto será alterado pela Câmara.

“Eu tenho uma opinião, do jeito que ela chegou à Câmara, ela não será aprovada”, disse. Para ele, pontos como a regra de transição do modelo atual para o novo serão alterados pelos deputados.

Rosso ainda defendeu a implementação da reforma trabalhista, a qual classificou como “agenda prioritária”, e também da reforma tributária. “A gente precisa enfrentar isso com rapidez”, disse.

Centrão

Além do PSD, Rosso também tem o desafio de conquistar votos dentro do “Centrão”, bloco informal integrado por diversos partidos pequenos e médios com um perfil conservador, que está rachado. O grupo reúne mais de 200 deputados.

O líder do PTB, Jovair Arantes (GO), que faz parte do bloco, também está na corrida e deve lançar oficialmente a sua candidatura nesta terça-feira (10).

Ainda na base aliada, existe a candidatura do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que tem articulado apoio para disputar a eleição interna da Casa.

Adversários dele argumentam que a Constituição e o Regimento Interno da Câmara proíbem reeleição na mesma legislatura (a atual acaba só em 2019).

Maia, por outro lado, argumenta que a regra não se aplica a ele por ter sido eleito para preencher um mandato-tampão, após a renúncia de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em julho de 2016. O mandato acaba em fevereiro.

Rosso chegou a apresentar uma consulta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para que o colegiado se manifeste sobre o caso. O relator, deputado Rubens Pereira Júnior (PCdoB-MA), entregou um parecer favorável a Maia, mas a Câmara entrou em recesso antes que o documento fosse analisado pela comissão.

“Essa insistência do Rodrigo Maia gerou ações no Supremo. Já tornou a eleição do próximo presidente da Câmara algo com judicialização e instabilidade institucional”, disse nesta segunda.

Oposição

Na oposição, o deputado André Figueiredo (PDB-CE) já anunciou a sua candidatura e aguarda uma definição da posição dos demais partidos de esquerda, como PT e PCdoB, para decidir o roteiro da sua campanha.
Tanto petistas como comunistas têm reunião de bancada no dia 17 para resolver quem apoiarão ou se lançarão candidato próprio.
Fonte: G1
Publicidade
Publicidade
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3