NAS RODOVIAS - 05/01/2018 14:05

PRF de Santa Catarina perde efetivo para operação no Rio de Janeiro

Determinação nacional prevê recrutamento de 20 policiais até dezembro
Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!

Desde 2015, sindicato da PRF faz campanha por incremento de efetivo em SC Foto: Sindicato da PRF / Divulgação

Desde agosto do ano passado, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) de Santa Catarina é obrigada a disponibilizar cerca de 20 policiais por mês do seu efetivo para uma operação que ocorre no Rio de Janeiro. A determinação é nacional e vai até dezembro. O que está acontecendo lá e a Operação Égide, que combate roubo de carga e de veículos nas rodovias. 

Segundo o assessor de imprensa da PRF em Brasília, Diego Brandão, o percentual de policiais recrutados está dentro das possibilidades de cada Estado. O fato de Santa Catarina ser afetada pelo aumento de usuários das rodovias em função da temporada de verão não impede o Estado de contribuir com a operação. Segundo Brandão, todos os estados estão em período de férias e contribuem com a operação.  

A operação que faz parte do Plano Nacional de Segurança Pública ocorre em rodovias federais que cruzam estados de fronteira (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso do Sul); nos grandes corredores rodoviários (Goiás, São Paulo e Minas Gerais); e no Rio de Janeiro — único estado em que a atuação é contínua. Neste momento, não há nenhuma ação da operação Égide ocorrendo em SC.  

Segundo o presidente do sindicato da categoria, Paulo Sérgio Machado, a instituição já sofre com a falta de efetivo mesmo com o quadro completo. Santa Catarina conta com 420 policiais e precisa de incremento de 50% para dar conta dos 27 postos nas rodovias federais.   

— Em vez de ter quatro ou cinco policiais em um posto, ficam dois ou três. Isso reflete na falta de policiamento ostensivo e fiscalização. A gente está perdendo a função principal da PRF, o policial acaba atuando depois que o fato acontece. E ainda tiram essa quantidade para trabalhar no Rio? No mínimo, deveria haver o bom senso durante a Operação Veraneio — destacou Machado. 

— A policia vive um dos momentos mais críticos da sua história com relação ao efetivo, não há como negar, é uma realidade que a (a instituição) vive — concorda o chefe de policiamento em SC, inspetor Everson Feuser. 

Uma campanha realizada pelo sindicato em 2015 chamou a atenção dos motoristas que passavam pelos postos da BR-101, no Estado. Bonecos de papelão imitando policiais foram colocados nos postos rodoviários. Quem se aproximava das unidades, principalmente à noite, tinha a impressão de que havia uma grande fiscalização no trecho. A iniciativa, segundo Machado, era mostrar como o aumento do efetivo poderia fazer a diferença. Os bonecos estão até hoje em algumas unidades. 

O assessor da PRF em Brasília confirmou que o efetivo nacional é de 10,2 mil policiais e que a defasagem já existente é de três mil, pois a instituição tem vagas para 13 mil servidores, uma vez que aposentadorias contribuíram para a baixa. Considerando que outros três mil policiais estarão aptos a se aposentar neste ano, é possível que o déficit seja de seis mil até o fim do ano. Por enquanto, não há previsão de novo concurso. 

* Égide era um escudo utilizado por Zeus, na mitologia grega, nas lutas contra os titãs.  O nome da operação foi escolhido pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública por causa das ações desenvolvidas em combate ao tráfico de armas, drogas e produtos contrabandeados. 

Fonte: Diário Catarinense
Publicidade
Publicidade
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3