INSPIRAÇÃO - 03/07/2018 16:04 (atualizado em 03/07/2018 16:18)

Senegalês erra valor ao vender óculos na Praia da Barra e dá lição de honestidade

Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!
Juliana Figueiredo e o senegalês Foto: Reprodução
O relato de uma carioca sobre a honestidade de um senegalês que vende óculos nas areias da Praia da Barra tem cativado os internautas nas redes sociais. A publicação feita na noite de segunda-feira por Juliana Figueiredo, de 27 anos, narra o drama vivido pelo estrangeiro para desfazer uma confusão que traria um prejuízo de mais de R$ 300 para a jovem.
No domingo, a moradora de Bangu saiu de casa de manhã rumo à Praia da Barra, acompanhada do namorado e de uma amiga. Logo após pôr os pés na areia do Posto 8, tirou os óculos escuros da bolsa com pressa e os deixou cair no chão. Na queda, os óculos quebraram.
— Meia hora depois, chegou esse rapaz senegalês vendendo óculos. Ele não sabia falar português, mas quando falei que os meus óculos tinham quebrado ele se ofereceu para ajudar. Tentou consertar, mas não teve jeito. Acabei comprando um par dele por R$ 35. Na hora, achei um pouco caro, mas quem mandou ir à Praia da Barra? Passei o cartão e segui com a minha vida — conta Juliana.
Se nada de diferente tivesse acontecido, a moça de 27 anos poderia ter tido uma surpresa desagradável quando a compra caísse na conta. Na verdade, o jovem senegalês tinha cobrado acidentalmente R$ 350 na máquina de cartão de crédito. Minutos depois, o rapaz voltou procurando Juliana. Agitado, ele gesticulava apontando para os óculos e para o valor na nota.
— Não entendia o que ele estava querendo dizer. Ele estava muito nervoso e foi embora. Um tempo depois voltou, acompanhado de um amigo também senegalês, mas que falava português um pouco melhor. Aí entendemos o que havia acontecido — lembrou.
Os dois, então, trocaram números de celular e combinaram de resolver a situação no dia seguinte, quando o dinheiro seria depositado na conta do senegalês. Na segunda-feira, Juliana Figueiredo pediu licença do trabalho e voltou ao Posto 8, onde encontrou o homem com o dinheiro que devia.
— Eu tinha visto pela foto do WhatsApp que ele tinha um filho pequeno. Dava para ver que era uma família humilde. No caminho, parei e comprei um carrinho de brinquedo de presente — disse Juliana, lamentando ainda não saber o nome do senegalês: — Ele falou várias vezes, mas eu nunca consegui entender direito como ele se chamava. Infelizmente, a gente se surpreende com atos assim. Imagina o quanto R$ 350 não representam no orçamento dele? Foi uma atitude maravilhosa dele e do amigo.
Fonte: Extra
Publicidade
Publicidade
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3
Clique aqui para se cadastrar
Entre em contato com a WH3
600

Rua 31 de Março, 297

Bairro São Gotardo

São Miguel do Oeste - SC

89900-000

(49) 3621 0103

Carregando...