OUTONO - 20/03/2017 10:18

O que esperar da estação de transição?

Engenheiro agrônomo da Epagri fala sobre as mudanças da estação que vêm por aí e sobre as influências na agricultura
Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!
Para a agricultura a estação é de período de reposição de nutrientes após as colheitas - Foto: Camila Pompeo/O Líder

Chegamos ao fim da estação mais quente do ano. Desde as 7h29 desta segunda-feira (20), iniciou o outono, que é uma estação de transição para o inverno e a chuva diminui de frequência. É também o período do equinócio, quando o dia e a noite têm a mesma quantidade de horas, ou seja, 12 horas diárias e 12 noturnas. Diferente do verão, que tem 14 horas de luz, e o inverno, 10 horas de luz. 

O engenheiro agrônomo e gerente-regional da Epagri de São Miguel do Oeste, Jonas Marcelo Ramon, observa que é uma época importante para a agricultura, pois é uma época de análise e recuperação do solo. “É uma estação de transição para o inverno, mas é uma estação com muitos veranicos. Podemos esperar picos de temperaturas altas e alguns dias com temperaturas abaixo da média”, salienta. 

Engenheiro agrônomo e gerente-regional da Epagri de São Miguel do Oeste, Jonas Marcelo Ramon - Foto: Camila Pompeo/O Líder

Já para a agricultura a estação, conforme o engenheiro agrônomo, é de período de reposição de nutrientes. “É o momento que o produtor está extraindo os nutrientes do solo, levando o milho e a soja, e é o momento para devolver estes nutrientes, é uma estação de preparar para a próxima cultura, que é a de inverno, e corrigir já para a próxima safra de verão”, explica. Ele observa que neste período também há risco de geadas antecipadas e neste momento, a partir de março e abril, é o momento de implantação das culturas de inverno, aveia, azevém e trigo. 

A recuperação do solo e análise é feita em laboratório. Ramon explica que a análise deve ser feita ao fim da cultura para verificar o quanto se extraiu, como cálcio, magnésio, enxofre e nitrogênio, entre outros. “A análise deve ser feita ao fim da cultura e muito importante nesta época é fazer a definição desta área que vai ser analisada, onde foi colhido o milho, por exemplo. Devem ser feitas 15 coletas, que são as subamostras, mistura-se as coletas e tira um quilo desta para enviar para a análise por meio da Epagri e então sai uma análise do solo mostrando os níveis dos nutrientes que estão precisando ser repostos e fazer a correção do solo”, detalha. 

Ramon reforça que o outono é um momento muito importante justamente pelo fato de ser um período de recuperar o solo e o preparar para as próximas safras. “Após a colheita, teoricamente é um período com menos trabalho na atividade agrícola, então é um momento de análises, fazer a recuperação e pensar na produção”, diz.    

Já para quem gosta de cultivar legumes e verduras, ou então gosta de colher frutas no pomar, Ramon observa que algumas culturas se adaptam melhor nesta época de preparação para o inverno. E neste momento também é período de adubar as frutíferas que foram colhidas e pensar na próxima produção. Mas o outono não significa o fim da possibilidade de cultivar. É momento de aipo, couve-flor, brócolis, espinafre, couve-de-bruxelas, erva-benta, cebola, cenoura, ervilha, fava, nabo, alho francês, beterraba, acelga, chicória e alface.

Fonte: Débora Ceccon/O Líder
Publicidade
Publicidade
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3
Clique aqui para se cadastrar
Carregando...