Saúde - 17/04/2017 09:48

Campanha de vacinação contra H1N1 inicia nesta segunda-feira (17)

Infectologista fala sobre a importância da vacinação contra H1N1 como a principal forma de prevenção e explica quais os sintomas da gripe e quanto ao tratamento
Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!
Infectologista Priscila Garrido - Foto: Jucinei da Chaga/ Grupo WH Comunicações 

Na semana que passou Santa Catarina registrou a primeira morte com a Gripe A em 2017. O paciente, de 37 anos, morava em Lages e contraiu a Gripe A do subtipo H3N2. O registro preocupa a população, já que o inverno vem chegando e, com a estação, a preocupação com a gripe. Conforme a infectologista Priscila Garrido, de São Miguel do Oeste, os sintomas de uma gripe H1N1 são os mesmos de qualquer outra e não há como identificar sem que se faça um exame. Os sintomas são febre alta, dor no corpo, coriza, dor de garganta, tosse e, dependendo do paciente, pode apresentar diarreia. 
O diagnóstico para identificar que se trata de H1N1 é o exame clínico com um médico e para saber o tipo de gripe é necessário um exame laboratorial. “Esse exame é feito em pacientes mais graves, aqueles que internam no hospital. Já aqueles pacientes que retornam para casa não ficam sabendo, até porque não importa, já que o tratamento é o mesmo”, explica. Para o uso da medicação indicada para gripe, o Tamiflu, não é necessário esperar o exame laboratorial. Conforme Priscila, o médico vai avaliar se o caso se trata de gripe e se o uso do Tamiflu se faz necessário, principalmente se for um paciente que se encaixa no público-alvo da vacinação. 

Prevenção 
A infectologista salienta que uma das melhores formas de prevenção é a vacina, que tem o objetivo de diminuir os casos de gripe. “A vacina é eficaz, mas temos que entender que ela não tem a função da pessoa não ficar gripada, mas prevenir aquelas formas graves da doença, por isso ela é indicada a essas pessoas pertencentes aos grupos de risco, que são os que mais têm chances de evoluir para uma pneumonia ou óbito. O SUS fornece a vacina a essas pessoas pertencentes ao grupo de risco e recomendo que quem não se encaixa nesses grupos que procure se vacinar”, reforça. 
A transmissão da gripe se dá por contato próximo e por vias respiratórias, tosse, o espirro, por isso é importante deixar os locais ventilados e higienizar as mãos a todo o momento, incluindo o uso do álcool em gel. “Isso é importante passar para as crianças, que são grandes disseminadores, tem contato no colégio, na creche, e levam para casa”, observa. 
Sobre as vacinas trivalente e a tetravalente, a infectologista explica que a trivalente, que é fornecida pelo SUS, protege contra três tipos de vírus da gripe. Já a tetravalente, fornecida em clínicas particulares, protege contra quatro tipos de gripe. “É a única diferença, mas as duas são eficazes”, garante. 
A infectologista observa que para quem estiver gripado ou resfriado, que adie a vacinação por duas semanas após a diminuição dos sintomas e não há contraindicações, apenas se algum paciente tiver alguma reação alérgica a algum componente. Sobre efeitos colaterais, ela garante que não há, o que pode ocorrer é uma sensação de febre e nas poucas horas da aplicação da vacina deve sumir. A imunização inicia a partir de três semanas após a aplicação e dura de seis a 12 meses no organismo. 

Campanha inicia nesta segunda-feira 
A partir desta segunda-feira (17) a Secretaria de Saúde de São Miguel do Oeste inicia a 19ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, a qual segue até o dia 19 de maio. De 17 a 21 de abril a vacina estará disponível somente para pessoas com mais de 60 anos e portadores de doenças crônicas. No dia 24 de abril inicia a vacinação para os demais públicos, incluindo crianças maiores de seis meses e menores de cinco anos; gestantes; puérperas (45 dias após o parto); trabalhadores da saúde; povos indígenas; população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; e professores atuantes e com vínculo em escolas das redes pública e particular.

O secretário de Saúde, Leonir Caron, ressalta que a meta para o município este ano é vacinar 14.508 pessoas. Caron destaca que no dia 13 de maio terá o Dia de Mobilização Nacional, com atendimento nos postos de saúde dos bairros Santa Rita e Agostini, além do posto de vacina central, das 8h às 17h, sem fechar ao meio-dia. Para a vacinação, é necessária a apresentação do Cartão do SUS, da Caderneta de Vacinas e de um documento com foto. O atendimento no posto de vacina central, durante a semana, será realizado das 7h30 às 11h30 e das 13h às 17h.



VEJA MAIS IMAGENS
Fonte: Débora Ceccon/ O Líder
Publicidade
Publicidade
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3
Clique aqui para se cadastrar
Carregando...