ONCOLOGIA - 14/04/2018 09:08 (atualizado em 16/04/2018 09:19)

Setor segue sem prazo oficial para início de funcionamento

Articulações políticas cobram do governo do Estado agilidade para início dos tratamentos oncológicos no Hospital Terezinha Gaio Basso
Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!
Foto: WH Comunicações
Aguardado com ansiedade pela população e autoridades regionais, o setor oncológico do Hospital Regional Terezinha Gaio Basso segue sem um prazo concreto para início de seu funcionamento. No mês de janeiro, o Grupo WH Comunicações noticiou que o ano 2018 havia começado de forma positiva neste quesito. Foi nesta época que, após articulações políticas, o Fundo Estadual de Saúde repassou ao Instituto Santé, responsável pela gestão da unidade hospitalar, o valor total de R$ 2.357.273,55 para viabilizar os recursos necessários para equipar a unidade de tratamento oncológico. 

Com o repasse financeiro em janeiro, o Instituto Santé teria um prazo de 90 dias para adquirir os equipamentos necessários e estruturar o setor, além de contratar os profissionais e acertar outros detalhes. Na última semana, o deputado estadual Mauricio Eskudlark (PR) divulgou na imprensa informações sobre uma reunião mantida com o secretário de Estado da Saúde, Acélio Casagrande. O assunto foi justamente o prazo para início do funcionamento do setor oncológico no Hospital Regional de São Miguel do Oeste.

Conforme o deputado, a reunião resultou em uma confirmação de que o setor deve entrar em funcionamento no mês de maio. “Expliquei ao secretário que diariamente famílias e pacientes me procuram e não podemos mais esperar. O Estado está ciente que terá que bancar estes atendimentos em um primeiro momento, até que ocorra o credenciamento pelo SUS, que só acontecerá quando a unidade estiver em efetivo funcionamento”, disse.

O suplente de deputado João Carlos Grando também pleiteou, junto a Acélio Casagrande, um prazo para que os tratamentos oncológicos possam ser oferecidos aos pacientes da região. Segundo ele, o prazo dado pelo secretário foi o mês de julho. Grando também deu continuidade às articulações a fim de que seja efetuado um aditivo de contrato com o Instituto Santé, para custeio do novo serviço que será prestado em São Miguel do Oeste.

No fim do mês de fevereiro, prefeitos e secretários da região elaboraram uma Moção de Urgência pela efetivação do serviço oncológico. Na época, o secretário-executivo da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de São Miguel do Oeste, Volmir Giumbelli, disse que o custo poderia variar entre R$ 800 mil a R$ 1,2 milhão para que o Instituto Santé absorvesse todo o serviço de oncologia. "É preciso um valor adicional para que o Instituto possa administrar a oncologia no Hospital Regional. A nossa preocupação é que isso tenha um andamento rápido", destaca.

A assessoria de imprensa da unidade hospitalar informou à reportagem de que até o momento o Hospital Regional Terezinha Gaio Basso ainda não recebeu nenhum documento que estabeleça um prazo para início dos tratamentos oncológicos, nem mesmo a confirmação oficial de aditivo ao contrato. 
Fonte: WH Comunicações
Publicidade
Publicidade
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3
Clique aqui para se cadastrar
Carregando...