DIA MUNDIAL DO RIM - 14/03/2019 11:42 (atualizado em 14/03/2019 14:07)

ASSISTA: Campanha alerta sobre a alta e crescente presença de doenças renais em todo o mundo

Estima-se que haja atualmente no mundo 850 milhões de pessoas com doença renal, decorrente de várias causas
Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!

Médica nefrologista Dra. Katia Bugs / Foto: Silvana Toldo Ruschel / 103 FM

Idealizado pela Sociedade Internacional de Nefrologia (ISN), o Dia Mundial do Rim é comemorado na segunda quinta-feira do mês de março - em 2019 a data é celebrada neste dia 14. O objetivo do evento é aumentar a conscientização sobre a crescente presença de doenças renais em todo o mundo e a necessidade de estratégias para a prevenção e o gerenciamento dessas doenças. A saúde do rim para todos, em qualquer lugar, propõe uma cobertura universal de saúde para a prevenção e o tratamento precoce da doença renal.

O programa Atualidades, da 103FM, recebeu nesta manhã a médica nefrologista Dra. Katia Bugs, que destacou a importância da prevenção das doenças renais. Em São Miguel do Oeste, alusivo a data, será realizado neste sábado (16), junto com o Sesc Saúde, exame para avaliar a função renal.

Leia também:

Entidades e empresas organizam programação especial para Dia Mundial do Rim

Vídeo: Programa Medicina e Saúde destaca importância do Dia Mundial do Rim

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Nefrologia, a prevalência da doença renal crônica no mundo é de 7,2% para indivíduos acima de 30 anos e 28% a 46% em indivíduos acima de 64 anos. No Brasil, a estimativa é de que mais de dez milhões de pessoas tenham a doença. Desses, 90 mil estão em diálise (um processo de estímulo artificial da função dos rins, geralmente quando os órgãos tem 10% de funcionamento), número que cresceu mais de 100% nos últimos dez anos.

Insuficiência renal é a condição na qual os rins perdem a capacidade de efetuar suas funções básicas. A insuficiência renal pode ser aguda, quando ocorre súbita e rápida perda da função renal, ou crônica, quando esta perda é lenta, progressiva e irreversível.

Funções dos rins:

- limpar todas as impurezas e as toxinas de nosso corpo;
- regular a água e manter o equilíbrio das substâncias minerais do corpo (sódio, potássio e fósforo);
- liberar hormônios para manter a pressão arterial e regular a produção de células vermelhas no sangue;
- ativar a vitamina D, que mantém a estrutura dos ossos.

Principais causas da insuficiência renal aguda:

- choque circulatório;
- sepse (infecção generalizada);
- desidratação;
- queimaduras extensas;
- excesso de diuréticos;
- obstrução renal;
- insuficiência cardíaca grave;
- glomerulonefrite aguda (inflamação nos glomérulos - unidades filtrantes do rim).

A doença renal crônica está associada a duas doenças de alta incidência na população brasileira: hipertensão arterial e diabetes.

Como o rim é um dos responsáveis pelo controle da pressão arterial, quando ele não funciona adequadamente há alteração nos níveis de pressão. A mudança dos níveis de pressão também sobrecarrega os rins. Portanto, a hipertensão pode ser a causa ou a consequência da disfunção renal, e seu controle é fundamental para a prevenção da doença.

Já a diabetes pode danificar os vasos sanguíneos dos rins, interferindo no funcionamento destes órgãos, que não conseguem filtrar o sangue corretamente. Mais de 25% das pessoas com diabetes tipo I e 5 a 10% dos portadores de diabetes tipo II desenvolvem insuficiência renal.

Outras causas são: nefrite (inflamação dos rins), cistos hereditários, infecções urinárias frequentes que danificam o trato urinário e doenças congênitas.

Sintomas:

A progressão lenta da doença permite que o organismo se adapte à diminuição da função renal. Por isso, muitas vezes a doença não manifesta sintomas até que haja um comprometimento grave dos rins. Nesses casos, os sinais são:

- aumento do volume e alteração na cor da urina;
- incômodo ao urinar;
- inchaço nos olhos, tornozelos e pés;
- dor lombar;
- anemia;
- fraqueza;
- enjoos e vômitos;
- alteração na pressão arterial.

Diagnóstico:

A disfunção renal pode ser identificada por meio de dois exames: um de análise da urina e outro de sangue. O primeiro identifica a presença de uma proteína (albumina) na urina, e o exame de sangue verifica a presença de outra, a creatinina. Com a função debilitada, os rins eliminam ou absorvem substâncias de forma desordenada, causando desequilíbrio no organismo.

Tratamento:

A insuficiência renal pode ser tratada com medicamentos e controle da dieta. Nos casos mais extremos pode ser necessária a realização de diálise ou transplante renal, como terapêutica definitiva de substituição da função renal.

Prevenção:

O primeiro passo é prevenir o desenvolvimento da hipertensão arterial e controlar a diabetes, doenças que mais levam à insuficiência renal.

- conhecer o histórico de doenças da sua família;
- controlar os níveis de pressão;
- realizar avaliação médica anual, principalmente após os quarenta anos;
- seguir uma dieta equilibrada, com baixa ingestão de sal e de açúcar;
- controlar seu peso;
- exercitar-se regularmente;
- não fumar;
- se fizer uso de bebidas alcoólicas, que seja de forma moderada;
- monitorar seus níveis de colesterol;
- evitar o uso de medicamentos sem orientação médica.
Fonte: Redação WH Comunicações / Silvana Toldo Ruschel, com informações do site saude.gov.br
Publicidade
Publicidade
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3
Clique aqui para se cadastrar
Carregando...