ECONOMIA - 11/09/2019 14:23 (atualizado em 11/09/2019 14:49)

OUÇA: "Reforma da Previdência é divisor de águas: ou é aprovada e o País volta a crescer ou sem a reforma 2020 será catastrófico”, diz economista

Economista chefe da Serasa Experian, Luiz Rabi, este em São Miguel do Oeste onde palestrou para acadêmicos e recebeu a imprensa em um Café no Sicoob São Miguel
Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!
Presidente do Sicoob São Miguel, Edemar Fronchetti, economista-chefe Serasa Experian, Luiz Rabi,e o vice-reitor da Unoesc São Miguel do Oeste, Vitor Carlos D'Agostini / Foto: Silvana Ruschel / 103FM

O Sicoob São Miguel realizou nesta terça-feira (10) um Café com a Imprensa com a presença do economista-chefe Serasa Experian, Luiz Rabi, o presidente do Sicoob São Miguel, Edemar Fronchetti, e o vice-reitor da Unoesc São Miguel do Oeste, Vitor Carlos D'Agostini.

Durante o bate-papo, os profissionais falaram sobre o ambiente econômico internacional e seus desdobramentos sobre o Brasil, a conjuntura econômica brasileira (crescimento, inflação, taxa de juros, dólar, desemprego, crédito e inadimplência, balança comercial, etc.) e os desafios atuais e as projeções. Luiz Rabi também palestrou para acadêmicos e empresários na noite desta terça-feira (10) no evento EmpreenderAção, promovido pela Unoesc.

Em entrevista à 103FM, Luiz Rabi, destacou que estamos em um cenário econômico de transição, já que o Brasil veio de uma recessão profunda, foram dois anos seguidos (2015 e 2016) de recessão, algo que não aconteceu no Brasil desde a 2ª Guerra Mundial, e depois desta recessão foram três anos (2017, 2018 e 2019) de baixíssimo crescimento, praticamente estagnação econômica. “Estamos tentando virar esta página da crise, de forma definitiva, e para que isso aconteça, para que possamos entrar no ano que vem em novo patamar e inaugurarmos um novo ciclo de crescimento econômico, mais acelerado, com geração de emprego e renda é fundamental que alguns desafios sejam superados. O principal dele é a conclusão da Reforma da Previdência, mas não é só isso, temos todo um programa de Privatizações e Concessões que precisa ser levado adiante, temos a Reforma Tributária que já está sendo discutida, que é algo fundamental para que possamos ter um ambiente melhor para se fazer negócios no Brasil e também todo o conjunto de Medidas de Combate à Corrupção. São quatro blocos de iniciativas fundamentais que o governo está tentando levar adiante e que se concretizadas irão inaugurar um novo ciclo de crescimento econômico no ano que vem”, enfatiza.

Rabi é bem enfático ao dizer que o divisor de águas da economia brasileira é a Reforma da Previdência, porque é ela que vai equacionar as contas públicas, pois é o principal gasto dos governos, federal, estaduais e municipais. “Não tem mais como adiar esta Reforma dada a incapacidade de aumentar a carga tributária. O Brasil paga impostos demais, pagamos 35% de carga tributária e não tem como aumentar a arrecadação para tapar o rombo da previdência”, destaca. Ele lembra que a Reforma visa fazer com que a despesa da previdência pare de subir, ou suba menos que o crescimento econômico, para que seja possível ter uma previsibilidade de que em quatro ou cinco anos o setor público não irá quebrar. 

“Concluir a Reforma da Previdência faz com que o setor público se mostre de alguma forma que ele tem uma solvência, se pague a longo prazo, não entre em uma dívida insustentável, o que é fundamental para que tenhamos horizontes mais previsíveis em relação a taxas de juros, taxa de inflação e taxa de câmbio (cotação do dólar). Com essa previsibilidade, os investimentos voltam e o país volta a crescer. Este é o plano A. Se isso não acontecer, se este plano A falhar, o que acho que tem pouca chance de isso acontecer, mas se tiver uma catástrofe política e este plano naufrague, aí a situação é totalmente diferente, aí não iríamos a este cenário de crescimento. Pelo contrário, uma falha na aprovação da previdência, seria catastrófica, o dólar e a inflação disparariam, o país entraria em nova depressão econômica, principalmente para trabalhadores e produtores com inflação acima de 10%, dólar acima de R$ 5,00, coisas assim que vão desorganizar a economia do país, então por isso que a reforma da previdência é um divisor de águas, estamos nesta situação: o cenário para 2020, ou será positivo ou catastrófico, estamos nesta torcida, mas as grandes possibilidades são de final feliz. Que consigamos aprovar a previdência no senado e que o país consiga voltar a crescer de forma mais acelerada a partir do ano que vem”, explica o economista

SOBRE LUIZ RABI

Economista pela FEA-USP, mestre em estatística e doutor em economia também pela USP. Foi economista-chefe dos bancos BMC, Bicbanco e diretor de fundos e incentivos fiscais do Ministério da Integração Nacional. É atualmente economista-chefe Serasa Experian.

Sicoob São Miguel já planeja ações para o próximo ano

Durante o Café com a Imprensa, o presidente do Sicoob São Miguel, Edemar Fronchetti, destacou que os gerentes das agências do Sicoob estiveram reunidos nesta segunda e terça-feira (9 e 10/09) para planejar as ações e metas apra 2020. Luiz Rabi também palestrou para os colaboradores.

VEJA MAIS IMAGENS
Fonte: Redação WH Comunicações / Silvana Ruschel
Publicidade
Publicidade
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3
Clique aqui para se cadastrar
Carregando...