SANTA CATARINA - 29/01/2019 09:34

OUÇA: "Em constante contato" diz sub comandante do Corpo de Bombeiros de SC sobre Brumadinho

Em entrevista na manhã desta terça-feira (29) ao Grupo WH Comunicações, o sub comandante do Corpo de Bombeiros de SC, coronel Edupércio Prates falou sobre o trabalho dos bombeiros catarinenses na tragédia
Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!
Foto: Divulgação CBMSC
A tragédia que vive Brumadinho, em Minas Gerais, vem comovendo o país e o mundo. Na sexta-feira (25), uma barragem da mineradora Vale se rompeu na região do córrego do Feijão, na altura do km 50 da rodovia MG-040. O número de mortos já chega a 65, enquanto o de desaparecidos é de 279. 
Com o rompimento da barragem, bombeiros militares do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina estão à postos desde a última semana para um possível chamado do Estado de Minas Gerais, que pode ocorrer a qualquer momento. 
Em entrevista na manhã desta terça-feira (29) ao Grupo WH Comunicações, o sub comandante do Corpo de Bombeiros de SC, coronel Edupércio Prates destacou a parceria entre ambos os Estados. 
"O Comando do Corpo de Bombeiros, o Governo do Estado, colocaram nossas forças de apoio para a operação de Minas Gerais em Brumadinho. Tivemos contato com o comando de Minas Gerais para assim que precisarem, atuarmos lá. Temos uma grande parceria com o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, estivemos com eles em Mariana em 2015. Estivemos lá por 15 dias com as equipes de buscas com cães. Em Brumadinho, a operação deve ser bem longa e durar mais de 30 dias", explica. 
Conforme o coronel, as equipes serão divididas em duas, cada uma com 3 binômios (dupla entre cão de busca e tutor bombeiro militar), dois pilotos de drone, dois socorristas e um veterinário, além de um caminhão e três viaturas 4x4. "É um trabalho que será demorado, é uma área de rejeito, a lama é contaminada. O bombeiro tem um tempo de trabalho e é necessário revezamento das equipes de resgate, por que há uma área grande a ser coberta", menciona.
Edupércio Prates salienta que a tragédia de Mariana, em 2015, foi ambientalmente maior. Morreram no rompimento da barragem 19 pessoas. No entanto, em Brumadinho, a tragédia humana - levando em consideração o número de vítimas - é "excepcionalmente superior". "Já temos 65 pessoas que foram retiradas, estamos com um grande número de desaparecidos. Ambientalmente foi menor que o de 2015, mas os danos humanos foram excepcionalmente superiores. É uma área grande para ser feita a busca, será um longo trabalho. Conforme o tempo vai passando a lama vai ficando mais sólida, é um trabalho demorado, cansativo e que exige muita técnica", declara.
O emprego destas equipes, de acordo com o coronel, não prejudicará o atendimento em Santa Catarina, que segue normalizado. Ele explica que são 14 batalhões espalhados pelo Estado e cada um tem 12 bombeiros que fazem cursos para compor as Forças Tarefas. Quando existem missões fora do Estado, as equipes são compostas com bombeiros de batalhões de várias regiões o que não prejudica o atendimento. 
"O Corpo de Bombeiros está em constante contato com o Estado de Minas Gerais. Muitos dos cinotécnicos que estão trabalhando pelo Estado de Minas Gerais foram formados em SC, nós somos referência nessa parte de formação de cães de busca e resgate. É uma parceria estabelecida há muitos anos. SC tem equipe de referência e ao deslocarmos, representaremos bem nosso Estado nesse esforço de ajuda humanitária", finaliza.
OUÇA:

Fonte: WH Comunicações / Camila Pompeo
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3
Clique aqui para se cadastrar
Entre em contato com a WH3
600

Rua 31 de Março, 297

Bairro São Gotardo

São Miguel do Oeste - SC

89900-000

(49) 3621 0103

Carregando...