POLÊMICA - 15/05/2019 15:48 (atualizado em 16/05/2019 09:23)

OUÇA: Líder de governo e presidente trocam farpas após aprovação de "Home Office" para funcionários do Legislativo

Projeto de resolução de autoria da Mesa Diretora da Câmara foi aprovada em votação única na terça-feira (14)
Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!
Foto: Reprodução
A Câmara de Vereadores de São Miguel do Oeste aprovou na noite de terça-feira (14), em votação única, projeto de resolução de autoria da Mesa Diretora da Câmara. O texto cria no âmbito do Poder Legislativo de São Miguel do Oeste o Sistema de Teletrabalho (STT), ou Home Office. Conforme a justificativa, a ideia seria de modernizar e dinamizar a funcionalidade dos trabalhos do Poder Legislativo de São Miguel do Oeste. O projeto foi aprovado por maioria, com votos contrários de Cássio da Silva, Milto Annoni e Vanirto Conrad.
Na manhã desta quarta-feira (15) o Programa Atualidades da 103FM repercutiu o tema. Em entrevista, o líder de governo Cássio da Silva (MDB) disse que o projeto é "vergonhoso" para o município. 
"Infelizmente esse projeto foi aprovado por maioria dos votos. sou contrário porque o home office deve ser estritamente feito para a iniciativa privada e não pra iniciativa pública. Temos que respeitar o dinheiro do contribuinte. Esse projeto mancha o Legislativo. A Câmara reinaugurou há pouco tempo, foi gasto muito dinheiro nesse novo prédio e agora a Mesa Diretora tem 'a brilhante ideia' de criar um projeto como esse para que os funcionários fiquem em casa trabalhando. Assim como o projeto de abono natalino, esse projeto é mais uma vergonha para o Legislativo. Não sou contrário a nenhum funcionário, mas temos que acabar com essas regalias", criticou.
PRESIDENTE EXPLICA
Após a entrevista concedida pelo líder de governo, foi a vez do presidente da Casa, Everaldi Di Berti (PSD), se manifestar sobre o projeto aprovado em votação única. Di Berti explicou que, conforme a matéria, o funcionário teria de solicitar a permissão para trabalhar de casa. O pedido seria avaliado pelo presidente da Casa.
"Esclarecer que esse projeto só regulamenta o home office. Por enquanto não existe nenhum funcionário enquadrado no tele-trabalho. é uma adequação quanto à legislação federal. A autorização de um funcionário para o tele-trabalho terá que ter justificativa e autorização do presidente. ele vai ter que apresentar um cronograma de trabalho para que concedamos uma portaria para que ele possa fazer esse trabalho. Isso se aplica apenas para alguns funcionários e hoje não teriam mais que três funcionários que se enquadrariam", menciona.
Di Berti destacou que a medida resultaria em economia para o Poder Legislativo. O presidente da Casa ainda criticou a postura de Cássio da Silva argumentando que o comportamento do vereador  não condiz com seu discurso.
"Dizer que o Cássio é um exemplo de pessoas que fazem discurso de moralidade e na prática não cumprem. ele entrou na Câmara no primeiro ano do mandato pregando que o vereador tinha que cumprir integralmente a jornada, bater ponto, entrar as 8h e sair às 12h. Fez isso por 30 dias. Hoje mal e porcamente ele vai nas sessões. Tem que ter um discurso compatível com sua postura e ele não vem fazendo isso. É fácil falar um monte de asneira e na hora de fazer o que pregou na campanha não cumprir e jogar tudo por água abaixo", disse.
VEREADOR REBATE
Após as declarações pessoais direcionadas a Cássio da Silva, o vereador do MDB teve direito de resposta. Durante nova manifestação, Cássio disse que encara de forma natural o nervosismo de Di Berti, tendo em vista que este foi um dos autores da matéria.
"Entendo a raiva do presidente porque ele achou que esse projeto ia passar batido, projeto que ele foi um dos autores, e não passou batido. Por isso que ele me atacou com inverdades. Por muitos meses prestei expediente na Câmara e ele mesmo pode ir nos recursos humanos solicitar a cópia do meu ponto. Quando a Câmara mudou de lugar, os atendimentos baixaram muito e eu busquei novas alternativas. A população não quer vereador preso em gabinete, quer vereador atuante. Ele tentou justificar o injustificável, me atacando pessoalmente e mentindo que não vou nas sessões. A população pode acompanhar que eu vou nas sessões sim e participo das reuniões. Já esperava esse comportamento raivoso dele porque ele foi um dos responsáveis por esse retrocesso no Poder Legislativo", finaliza.
 
OUÇA A ENTREVISTA DO VEREADOR CÁSSIO DA SILVA:

OUÇA A ENTREVISTA DO PRESIDENTE EVERALDO DI BERTI:

OUÇA: VEREADOR CÁSSIO DA SILVA COMENTA CRÍTICAS DO PRESIDENTE:
Fonte: Reportagem: Camila Pompeo | WH Comunicações - Entrevistas: Marcos Lewe | WH Comunicações
Publicidade
Publicidade
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3
Clique aqui para se cadastrar
Entre em contato com a WH3
600

Rua 31 de Março, 297

Bairro São Gotardo

São Miguel do Oeste - SC

89900-000

(49) 3621 0103

Carregando...