EL NIÑO - 03/06/2019 10:13

Acima da média, chuvas causam prejuízos nas lavouras de Maravilha e região

Em Maravilha, o quinto mês do ano registrou média superior a 300 milímetros de chuva
Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!
Outono e inverno serão chuvosos (Foto: Arquivo WH Comunicações)
As estações mais frias do ano chegam chuvosas em 2019. O fenômeno El Niño provoca chuvas frequentes e acima da média no período, o que já se comprovou em maio. Em Maravilha, o quinto mês do ano registrou uma média superior a 300 milímetros de chuva, mais de 100% acima do esperado, que era de 130 a 140 milímetros.

Os números foram repassados pela Epagri, que também já confirmou chuva acima da média para o trimestre que iniciou no sábado (1º), especialmente nos meses de junho e julho. Nos próximos três meses os valores de chuva variam de 110 a 150 milímetros mensais no Oeste e Meio-Oeste, sendo que em junho as áreas do Oeste próximas ao Paraná tendem a apresentar valores próximos a 170 milímetros. 

O frio deve se intensificar a partir deste mês, mas a temperatura para o trimestre estará acima da média climatológica em Santa Catarina. A nebulosidade e chuva mais frequentes amenizam o frio, deixando os valores de temperatura mínima acima do esperado para a época do ano. As ondas de frio serão escassas e pouco duradouras, intercalando com períodos mais aquecidos. 

PERDAS NO FEIJÃO E MILHO

Conforme o extensionista rural da Epagri de Maravilha, Neimar Gutbier, o excesso de chuva prejudicou lavouras em toda região. Em Maravilha o cenário não é diferente, com perdas significativas principalmente em lavouras de feijão, milho e pastagens. 
Cultura do feijão é a mais afetada (Foto: Carine Arenhardt/WH Comunicações)

O feijão foi a cultura mais prejudicada pelo excesso de umidade e falta de luminosidade com muitos dias nublados. Conforme Gutbier, o período chuvoso atrapalhou a colheita, principalmente nas lavouras plantadas mais tarde. O grão caiu do pé ou brotou devido à umidade, não servindo mais para consumo humano. Os produtores ainda finalizam a colheita, mas o que pode ser aproveitado está sendo vendido principalmente para produção de ração. Quem plantou a lavoura a partir do fim de janeiro está tendo dificuldade de cobrir até mesmo o custo de produção.  

O milho safrinha também acumula perdas, tanto na produção de silagem, como no grão. Conforme o extensionista da Epagri, há registro de doenças na folha, queda da planta pelas chuvas e vento e perda de qualidade. Os prejuízos também são mais significativos nas lavouras plantadas mais tarde. 

Um dos desafios enfrentados agora pelos produtores é com o início do plantio de trigo. As chuvas atrapalham a entrada de máquinas nas lavouras que podem causar a compactação do solo. 

PECUÁRIA LEITEIRA 

Os produtores de leite enfrentam problemas com as lavouras de pastagens. O excesso de chuva tarda o crescimento do pasto e acaba afetando a alimentação do gado. Longos períodos chuvosos também causam queda na produção de leite. Outro problema é o acúmulo de barro próximo de instalações das salas de ordenha, o que aumenta o risco das vacas desenvolverem mastite, além de afetar o bem-estar animal.

APICULTURA 

O excesso de chuva também prejudica a apicultura, dificultando a coleta do pólen e néctar pelas abelhas. Conforme Gutbier, os produtores precisam fazer a suplementação alimentar dos apiários. A preocupação é em manter os enxames sadios no inverno, evitando a morte ou diminuição significativa na população de abelhas. 

As consequências com a falta de suplementação alimentar das abelhas pode acabar afetando a produtividade da safra no segundo semestre. O extensionista orienta aos produtores a conferir o estoque de alimento nas caixas. Dois tipos de suplementação podem ser fornecidos, com alimentação energética composta por xarope de açúcar e alimentação proteica fornecida principalmente em forma de ração na pasta. 


Fonte: Carine Arenhardt/WH Comunicações
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3
Clique aqui para se cadastrar
Entre em contato com a WH3
600

Rua 31 de Março, 297

Bairro São Gotardo

São Miguel do Oeste - SC

89900-000

(49) 3621 0103

Carregando...