Viva Bem - 01/02/2019 17:02 (atualizado em 01/02/2019 17:07)

Animais peçonhentos – Cuidados e como prevenir

Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!

Estamos em uma época de calor, chuvas e umidade na qual o lazer e atividades ao ar livre como trilhas, acampamentos e de limpezas de habitações, quintais e terrenos são muito praticadas pelas pessoas. O período coincide com deslocamento dos animais peçonhentos para alimentação e reprodução, podendo ocorrer acidentes com os mais comuns: lagartas, aranhas, serpentes, abelhas e escorpiões.

Enfermeira do Pronto Socorro Jéssica Cristina Segsttater / Divulgação

Saiba mais:

VEJA TODAS AS MATÉRIAS DO PROGRAMA VIVA BEM

Os acidentes por animais peçonhentos são considerados um problema de saúde pública no Brasil, em virtude do elevado número de pessoas envolvidas anualmente, e pela gravidade e complicações que podem apresentar. Segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica de SC - DIVE (2018) a região do Estado mais acometida por estes animais é o Extremo Oeste de Santa Catarina.

Os animais peçonhentos, quando se sentem ameaçados por outro animal ou pelo homem, utilizam a peçonha (veneno) como defesa. O contato com esses animais pode ocorrer pela pele por meio de mordidas, picadas, ferroadas e arranhões.

No ano de 2018 no setor de Pronto Socorro do HRTGB foram atendidos 141 pacientes que tiveram contato com estes animais. Janeiro e fevereiro de 2018 foram os meses de maior incidência e somente até a metade do mês de janeiro/2019 já somam 12 casos.  

O que fazer em caso de acidente

A vítima deve procurar atendimento médico no serviço de saúde mais próximo nas primeiras horas após a ocorrência. Será feita uma avaliação pelo médico e a vítima permanecerá hospitalizada para realização de exames laboratoriais e em observação para avaliação da progressão dos sinais e sintomas.

Após o contato pode ocorrer a manifestação de alterações locais como dor, inchaço, vermelhidão, irritação, queimação, coceira no local, e até mesmo manifestações sistêmicas ocorrendo: hipotensão, taquicardia, dor de cabeça, náuseas/vômitos, alteração da coagulação sanguínea, distúrbios hemorrágicos, infecção, necrose, insuficiência renal e respiratória, choque anafilático entre outros.

A referência para o atendimento destes acidentes no estado é o Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Santa Catarina que acompanha todo o processo, fornece suporte clínico para os profissionais na avaliação da gravidade dos casos e orienta a melhor conduta a ser tomada para prevenir que manifestações mais graves ocorram, sendo em muitos casos necessária a realização de soroterapia – soro antiveneno - específico para cada tipo de acidente e disponível em ambiente hospitalar.

Como prevenir acidentes com animais peçonhentos

• Utilizar equipamentos de proteção individual (EPIs) no manuseio de materiais de construção, lenhas, móveis, em atividades rurais, limpeza de jardins, quintais e terrenos;

• Não colocar as mãos em tocas, buracos e espaços entre lenhas e pedras (utilizar ferramentas);

• Evitar aproximar-se de vegetação rasteira ao amanhecer e ao anoitecer (período de maior atividade de serpentes);

• Não mexer em colmeias e vespeiros (contatar autoridade local);

• Inspecionar roupas, calçados, roupas de cama e banho, panos e tapetes antes de usá-los;

• Afastar as camas das paredes;

• Não depositar lixo, entulho e materiais de construção junto às habitações;

• Evitar que plantas e folhagens encostem nas casas;

• Fazer o controle de roedores;

• Evitar acampar onde se sabe que existem roedores e serpentes;

• Não fazer piquenique às margens de rios, lagos e lagoas;

• Não encostar-se em barrancos durante pescarias;

• Limpar regularmente e com EPIs móveis, cortinas, quadros, paredes e terrenos baldios;

• Vedar frestas, buracos, portas, janelas e ralos;

• Manter limpos jardins, quintais, paióis e celeiros;

• Combater insetos (especialmente baratas, que servem de alimento para escorpiões e aranhas);

 

N° DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS ATENDIDOS NO HRTGB SEGUNDO O MÊS DE OCORRÊNCIA - ANO 2018

Janeiro

38

Fevereiro

19

Março

09

Abril

17

Maio

17

Junho

05

Julho

04

Agosto

02

Setembro

01

Outubro

06

Novembro

08

Dezembro

15

Total

141

Necessitaram de soroterapia

31

                              Fonte: SCIH/HRTGB – 2018

N° DE ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS ATENDIDOS NO HRTGB SEGUNDO O TIPO DE ACIDENTE – ANO 2018

Lagarta

57

Aranha

26

Serpente

18

Abelha

22

Escorpião

05

Ignorado

11

Outros

02

Total

141

                              Fonte: SCIH/HRTGB – 2018

 

 

Enfermeira do Pronto Socorro Jéssica Cristina Segsttater

 

Fonte: Ascom Hospital Regional Teresinha Gaio Basso
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3
Clique aqui para se cadastrar
Carregando...