MISSÃO DART - 23/11/2021 09:55

Nasa lança missão para desviar asteroide com potencial de colisão com a Terra

Sonda a bordo do foguete Falcon 9 da SpaceX partirá na madrugada desta quarta-feira
Comente agora!
Recomendar correção
Obrigado pela colaboração!
Ilustração feita pelo laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins mostra sistema de asteroides ao lado da sonda da missão DART Johns Hopkins Applied Physics Lab / NASA

A Nasa, a agência espacial norte-americana, inicia na madrugada desta quarta-feira (24) a missão DART, ou Missão de Teste de Redirecionamento de Asteroide Binário (tradução do inglês). O grande objetivo é testar o potencial tecnológico humano para alterar a trajetória de um asteroide com potencial de colisão com a Terra. 

A bordo do foguete Falcon 9 da SpaceX – empresa de exploração espacial do bilionário Elon Musk –, a sonda da Nasa deve partir às 2h21, no horário de Brasília, da Base da Força Aérea de Vandenberg, na Califórnia, Estados Unidos. 

Em menos de um ano, a nave alcançará seu alvo, o asteroide Didymos, que estará a 11 milhões de quilômetros da Terra. É o mais perto que chegará do nosso planeta, segundo previsão da Nasa. O Didymos tem 780 metros de diâmetro — o que equivale a duas vezes a altura da torre Eiffel. Em sua órbita há uma lua, Dimorphos, de 160 metros de diâmetro e mais alta que a Estátua da Liberdade.

É nessa lua onde a nave vai pousar, projetada a uma velocidade de 24 mil km/h. O impacto lançará toneladas e toneladas de material. Mas, "não vai destruir o asteroide, só lhe dará uma pequena sacudida", afirma Nancy Chabot, do Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins, que lidera a missão em colaboração com a Nasa. Como resultado, a órbita do asteroide menor ao redor do maior se reduzirá somente "por volta de 1%".

A órbita ao redor do sol do asteroide Didymos também mudará levemente, devido à relação gravitacional com sua lua. Segundo Andy Cheng, da Universidade Johns Hopkins, essa mudança será "pequena demais para ser medida".
O custo total da missão é de 330 milhões de dólares. 

Chuva de meteoros

Em entrevista ao G1, o professor de astronomia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Thiago Signorini Gonçalves afirmou que, mesmo se os especialistas da Nasa não conseguirem atingir o sistema de asteroides, não há risco de colisão com a Terra. Havendo sucesso, a missão criará uma cratera na Dimorphos, o que pode gerar pela primeira vez uma chuva de meteoros criada artificialmente pelo homem.

Fonte: Gaúcha ZH
Publicidade
Publicidade
Nenhum comentário enviado
:
Cadastro WH3
Clique aqui para se cadastrar
Entre em contato com a WH3
600

Rua 31 de Março, 297

Bairro São Gotardo

São Miguel do Oeste - SC

89900-000

(49) 3621 0103

Carregando...